Já é de praxe os profissionais da construção civil buscarem pelas legislações aplicáveis às construções de cada cidade para que as obras executadas recebam o habite-se. No desenvolvimento do projeto, além de atendê-las, os profissionais consultam as normas técnicas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) para obtenção de orientações relativas à especificação da correta de aplicação de vidros, execução de alvenaria estrutural ou vedações e sistemas de coberturas, por exemplo. No que tange as portas, a ABNT orienta  sobre as aplicações nas edificações de uso privado, público e coletivo, entre outros aspectos.   

Na ABNT NBR 15930-2 – Portas de Madeira para Edificações Parte 2: Requisitos, arquitetos e engenheiros encontram orientações para especificação das portas por nível de desempenho, ocupação e uso. Para edificações de uso privado, aquelas destinadas à habitação, a norma prevê que uma porta de entrada de um apartamento tenha um tráfego mínimo regular, o que exige uma avaliação de 50 mil ciclos de abertura e fechamento da porta, considerando a vida útil mínima de oito anos. Em uma conta simples, isso representa 17 aberturas/fechamentos de porta por dia. 

Quando o empreendimento é de ocupação pública, que são aqueles administrados por entidades da administração pública, direta ou indireta, ou por prestadores

de serviços públicos destinados à população em geral, como hospitais, por exemplo, a norma exige que a porta atenda a um tráfego severo, ou seja, 200 mil ciclos. Nestes ambientes, o fluxo de circulação de pessoas é maior e o cuidado com o uso acaba sendo inferior por se tratar de um empreendimento público, o que exige da porta mais desempenho. “Justamente pelo grande fluxo de pessoas, a porta de entrada especificada deve ter um padrão dimensional pesado, ou seja, a folha deve ter uma massa acima de 20 kg/m² e uma espessura mínima de 40 mm”, explica a gerente técnica da Abimci, Dayane Potulski. 

Para finalizar, a norma também traz requisitos para as edificações de uso coletivo, destinadas às atividades de natureza comercial, hoteleira, cultural, esportiva, financeira,

turística, recreativa, social, religiosa, educacional, industrial e de saúde, inclusive as edificações de prestação de serviço de atividades da mesma natureza. Como estes empreendimentos também têm ampla circulação de pessoas, a norma exige da porta um atendimento de tráfego de uso intenso, ou seja, 100 mil ciclos.  

Para mais saber mais a respeito, acesse a norma completa: https://www.abntcatalogo.com.br/norma.aspx?Q=eHptdG41TkVybE1jQy9nY0o2eHlzZmZUdVVPREFlOXo4cHZ4U0lDWDdxZz0=

VOLTAR