Normalização

O processo de normalização consiste em uma atividade que estabelece a elaboração e implementação das Normas técnicas.

O que é uma norma técnica?

A Norma é o documento que fornece regras, diretrizes ou características mínimas para atividades ou para seus resultados, visando à obtenção de um grau ótimo de ordenação em um dado contexto.

A publicação de uma norma técnica é um importante progresso para toda a cadeia do produto avaliado.

Como são criadas as normas técnicas no Brasil?

Para a criação de uma norma técnica reconhecida pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é preciso cumprir uma série de passos a partir de uma demanda apresentada pela sociedade, empresa, entidade ou organismo regulamentador.

No caso das normas para portas de madeira, todo o trabalho conta com a participação da Associação Brasileira da Indústria de Madeira Processada Mecanicamente (Abimci), que é a entidade gestora nacional do Comitê Brasileiro de Madeira (CB-31) da ABNT. Esse órgão é formado por Comissões de Estudo (CE), responsáveis por desenvolver e revisar as Normas Brasileiras. As CEs são formadas por representantes de produtores, consumidores, universidades, institutos de pesquisas e outras partes interessadas.

Qual é a norma técnica vigente no Brasil para portas de madeira?

A NBR 15930 – Portas de madeira para edificações, partes 1 e 2, desenvolvida através do Comitê Brasileiro da madeira ABNT/CB-31, pela Comissão de Estudos de portas de madeira CE-12, foi publicada em 2011.

Em 2018, a ABNT publicou a nova versão da parte 2 da norma que trata dos requisitos para o perfil de desempenho de portas de madeira e a classificação de acordo com o nível de desempenho de ocupação e uso.

Um dos objetivos da revisão foi definir novas tolerâncias dimensionais para o marco da porta, para poder contemplar o uso de novas matérias-primas como pinus e eucalipto, que apresentam características diferentes quando comparado a madeiras tropicais, mas sem afetar o desempenho da porta.

Além disso, foi introduzido no texto um requisito que considera o uso da porta ao longo do tempo, considerando a exigência de durabilidade. Esse requisito, que contempla ciclos de abertura e fechamento de portas e esforços de manuseio, visa saber qual o comportamento da porta ao longo de sua vida útil. O ensaio permitirá ao fabricante avaliar o uso da porta, nas condições normais de uso, ao longo da vida útil de projeto da porta, como prevista na norma ABNT NBR 15575:2013 – Edificações habitacionais – Desempenho, parte 1, Durabilidade, dando maior segurança e respaldo ao fabricante e aos usuários.

A Parte 3: Requisitos de desempenho adicionais está em consulta nacional e contempla as portas de madeira com isolamento acústico, resistência ao fogo, as destinadas a locais com radiação e saídas de emergência, além de definir requisitos para as questões de acessibilidade e resistência a xilófagos

Quais outras normas devo considerar na escolha de uma porta de madeira?

No caso da edificação exigir uma porta resistente ao fogo, por exemplo, é necessário ver os requisitos da ABNT NBR 15821, que define o tempo de resistência da porta de madeira ao fogo, que pode ser de 30, 60 ou 90 minutos.

Outro ponto que deve ser observado é quando o projeto exigir portas que possibilitem, por exemplo, acesso de cadeirantes, pessoas com dificuldades de locomoção, carrinhos de bebês, as chamadas rotas acessíveis. A ABNT NBR 9050 determina a largura mínima padrão do vão livre de passagem para as portas que permitam esse acesso.

Já na escolha de uma porta de uso exterior, aquela que fica exposta ao sol e à chuva, é preciso atender, além do perfil de desempenho estabelecido na norma de portas (ABNT NBR 15930-2), os requisitos da NBR 10821, que trata de permeabilidade ao ar, estanqueidade à água e resistência às cargas uniformemente distribuídas.

  • Publicadas
  • Em estudo

Parte 1

Terminologia e simbologia

Define os termos adotados na classificação e nomenclatura de portas destinadas a edificações.

Parte 2

Requisitos

Especifica os requisitos para o perfil de desempenho e a respectiva classificação de portas de madeira para edificações de acordo com o nível de desempenho ocupação e uso. esta parte da norma contempla também o recebimento dos produtos em condições mínimas de desempenho.

Parte 3

Requisitos de desempenho adicionais

Especifica os requisitos adicionais de desempenho (isolamento acústico, resistência ao fogo, isolamento as radiações, isolamento térmico, segurança anti-intrusão, acessibilidade e saída de emergência) e a respectiva classificação complementar de portas de madeira para edificações.

Parte 4

Instalação e manutenção

Estabelece condições mínimas adequadas de instalação e manutenção de tal forma a garantir o desempenho exigível de portas de madeira para edificações. Também define as atribuições de fabricantes, instalador, construtor, usuário e contratante.