O mercado atingiu um total de 81,8 mil unidades residenciais lançadas e 66,1 mil unidades comercializadas em 2021

Não há dúvidas que os últimos dois anos apresentaram cenários incertos e imprevisíveis. Muitos mercados sofreram impactos profundos com a pandemia, mas agora começam a retomar as atividades com mais normalidade. Para o mercado imobiliário, segundo a Secovi-SP (Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis do Estado de São Paulo), os juros baixos, a ampla oferta de crédito, a ressignificação do imóvel em razão da pandemia, as mudanças dos arranjos familiares (casamentos e divórcios) e o interesse de investidores por imóveis foram alguns dos fatores que impulsionaram o mercado imobiliário nos últimos dois anos. 

Como consequência desta realidade, o mercado da cidade de São Paulo manteve o bom desempenho observado desde 2019. “O mercado atingiu um total de 81,8 mil unidades residenciais lançadas e 66,1 mil unidades comercializadas em 2021. As unidades enquadradas no Programa Casa Verde e Amarela alavancaram o setor, com participação superior a 40% nos lançamentos e acima de 50% em vendas. Imóveis de 2 dormitórios, econômicos e compactos se destacaram, sendo os mais compatíveis com o poder de compra e a demanda da população”, detalhou o economista-chefe do Secovi-SP, Celso Petrucci. 

De acordo com o Anuário do Mercado Imobiliário 2021, publicado pela Secovi-SP, o total de lançamentos em 2021 foi 120% superior à média anual de 37,2 mil unidades referentes ao histórico dos últimos 18 anos (2004 a 2021). Além disso, os imóveis de médio e alto padrão, com dois ou mais dormitórios, registraram o lançamento de 27,7 mil unidades em 2021, superando em 66% as 16,6 mil unidades lançadas em 2020.

Mesmo com os resultados positivos, Petrucci avalia o cenário para 2022 como desafiador. “Apesar da expectativa favorável quanto ao combate à pandemia, o controle da inflação é questão prioritária. A queda do poder de compra da população e o aumento dos juros exigirão maior esforço dos empreendedores”. 

Os números apresentados na pesquisa do Secovi-SP são importantes para o segmento de portas de madeira. “A análise dos resultados é estratégica, afinal este é o maior mercado consumidor de portas de madeira devido ao número de unidades lançadas e construídas”, salientou o superintendente da Abimci, Paulo Pupo. 

Para acessar o Anuário, clique no botão abaixo:

VOLTAR