O setor da construção civil já conta com portas de madeira certificadas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), por meio do Programa Setorial da Qualidade de Portas de Madeira para Edificações (PSQ-PME). São produtos que atendem à Norma Brasileira NBR 15930 – Portas de madeira para edificações.

As construtoras que buscam verificar a qualidade dos componentes utilizados nos seus empreendimentos têm na certificação um respaldo de que toda a produção deste determinado tipo de produto é controlada e avaliada periodicamente, além de demonstrar o atendimento às normas técnicas de forma contínua, proporcionando assim produtos em conformidade com as exigências do mercado.

Confira as principais diferenças entre os dois documentos.

CERTIFICADO

1. Emitido pela ABNT: o certificado de conformidade é emitido por um organismo certificador, no caso de portas de madeira pela Associação Brasileira de Normas Técnica (ABNT). Isso assegura que o produto atende aos requisitos exigíveis pela norma técnica NBR 15930-2 – Portas de madeira para edificações – Requisitos.

2. Auditorias: as empresas que possuem produtos certificados pela ABNT passam por uma série de auditorias na fábrica para verificar o controle de qualidade do processo de produção. Como parte dessa auditoria, são coletadas, aleatoriamente, amostras do produto para realização de ensaios em laboratório. Ao ser aprovado nas auditorias e em todos os ensaios exigidos pela norma, o produto conquista o certificado de qualidade. Para manutenção do certificado, o fabricante é auditado e realiza ensaios periodicamente.

RELATÓRIO DE ENSAIO

1. Emitido por laboratório: o relatório é um documento que contém os resultados dos ensaios realizados, sem o parecer se atende ou não a norma técnica.

2. Sem auditorias: o fabricante que apresenta apenas o relatório de ensaios não passa por auditoria de controle de qualidade do processo de produção, além da coleta da amostra do produto não ser realizada por um organismo certificador independente. Esse documento apresenta apenas o resultado do ensaio sem o parecer técnico quanto ao atendimento ou não aos requisitos da norma. Dessa forma, o relatório não pode ser estendido para todo o lote do produto fabricado e nem confundido com um certificado de qualidade.

Para saber mais, assista ao vídeo:

Fonte: Assessoria de Imprensa Abimci/PSQ-PME

VOLTAR