A Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) fez um levantamento sobre algumas medidas que os Estados Unidos, Londres, Canadá (Quebec), Portugal e França estão adotando para atenuar os efeitos sociais e econômicos da pandemia do coronavírus (Covid-19) às empresas da construção civil de seus países.

Nos Estados Unidos, o governo federal não determinou o fechamento de obras, mas no dia 17 de março as autoridades de Boston promoveram a primeira grande paralisação do setor nos EUA, fechando todas as construções da cidade devido às preocupações crescentes com a propagação do vírus. Empreiteiros e construtores locais foram obrigados a encerrar todo o trabalho nos canteiros de obras, deixando, em alguns casos, equipes para proteger materiais e monitorar as obras.

A National Association of Home Builders (NAHB) atua junto à administração para explorar um pacote de estímulo à habitação. Discussão sobre o tema está prevista para o dia 23/3 entre as entidades interessadas e a Casa Branca.

Em Londres, especialistas alertam que uma possível paralisação será um desastre para o setor e poderá colocar empresas de pequeno e grande portes fora do mercado. A indicação é para que as empresas façam planos de contingência para a perspectiva de fechamento das redes de transporte e viagens para a cidade. O trabalho em muitos canteiros de obras pode parar se Londres for confinada.

Em Quebec/Canadá, duas das principais federações de sindicatos da construção pediram ao governo o fechamento dos canteiros de obras para evitar a disseminação do Covid-19. Segundo elas, muitos locais carecem de água e sabão para lavar as mãos e banheiros com água corrente e seus trabalhadores costumam ficar em locais fechados, movendo-se frequentemente e compartilhando suas ferramentas.

Em Portugal, estão sendo sugeridas medidas emergenciais como:

Na França, é provável que a epidemia também tenha repercussão significativa na atividade das empresas de obras públicas e, em particular, nas condições de execução dos contratos de obras (atrasos no fornecimento, medidas de contenção aplicáveis ao seu pessoal, de seus fornecedores, cocontratados ou subcontratados).

Diante da possibilidade das empresas se tornarem incapazes de concluir o seu trabalho dentro dos prazos previstos no contrato, de acordo com a Fédération Nationale des Travaux Publics (FNTP), as precauções a serem tomadas se referem essencialmente a:

Para contratos públicos, o início do trabalho é adiado ou o tempo de execução é estendido no caso de:
Extensão ou prorrogação de prazos

Se uma empresa encontrar dificuldades imprevistas no canteiro de obras tem o direito de obter uma extensão do tempo de execução de toda a obra ou de uma ou mais seções da obra, ou um adiamento do início da obra.

A duração da extensão ou adiamento é proposta pelo gerente de projeto após consulta à empresa e decidida pelo proprietário do projeto que informa a empresa.

Força maior

Força maior é um caso de isenção de responsabilidade corporativa com base em três condições cumulativas para contratos públicos. A empresa deve enfrentar uma dificuldade material imprevisível, que não é culpa sua e está fora de seu controle e que é de magnitude ou natureza que impossibilite provisória ou definitivamente a execução de suas obrigações contratuais.

Em caso de força maior, o período de execução é estendido pela duração dos impedimentos.

Para contratos privados e contratos que não se referem a um padrão

A prorrogação do prazo de execução pode ser solicitada invocando o artigo 1231-1 do código civil, que prevê que não há necessidade de aplicação de danos quando a execução tiver sido impedida por força maior.

Fonte: CBIC

VOLTAR