Padronização do processo de fabricação é garantia de desempenho da porta

Quando o foco na qualidade é incorporado ao processo de fabricação do produto, o resultado é excelência na qualidade final. As empresas que participam do PSQ-PME (Programa Setorial da Qualidade de Portas de Madeira para Edificações), desenvolvido e coordenado pela Abimci (Associação Brasileira da Indústria de Madeira Processada Mecanicamente), implementaram um sistema de gestão para garantir que cada requisito do produto exigido pelas normas seja atingido.

Para Miriam Mayer, uma das responsáveis pela condução do Programa na Pormade Portas, o PSQ-PME agregou novos requisitos ao Sistema de Gestão da empresa localizada em União da Vitória (PR), que já está certificado pela ISO 9001 e FSC. “As portas passaram a ser ensaiadas semestralmente junto ao IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas) e avaliadas pelo técnico da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas). Isso trouxe muito mais confiabilidade ao processo e ao produto que colocamos no mercado”, explica, relembrando que a certificação inicial ocorreu em janeiro de 2015, após seis meses de adequação do Sistema de Gestão com os requisitos do PE-267 (Procedimento para Certificação de Portas).

Os resultados foram perceptíveis. A condução de todo o processo passou a fazer parte do modelo empregado pela empresa para a fabricação das portas. Os colaboradores e gestores conseguiram perceber que houve uma série de incrementos. “Os principais pontos agregados foram monitoramento, rastreabilidade e as inspeções dos produtos”, completa.

Miriam diz ainda que a padronização em todas as etapas do processo é essencial para que o produto apresente o desempenho previsto pela norma: “Em todas as atividades produtivas as Instruções de Trabalho e Controle estão presentes, garantindo que o padrão estabelecido seja cumprido”.

Outra empresa que adotou o PSQ foi a Randa Portas, com sede em Bituruna (SC). A indústria se apoia no envolvimento de cada colaborador do grupo e busca a melhoria continua com foco nos resultados. Na Randa, o programa abrange as três unidades de produção, que contam com cerca de 540 colaboradores diretos.

“Após a implementação do Programa, a primeira certificação foi aprovada pela ABNT (NBR 15930- 2: 2011) em julho de 2014, inicialmente com um modelo de folha de porta PIM (Porta Interna de Madeira)”, diz Itacir Mochnacz, coordenador de Gestão do Grupo.

Na época, a companhia já possuía certificações internacionais e conseguiu se adaptar rapidamente ao PSQ. Após menos de seis meses da implantação, a empresa desenvolveu os procedimentos recomendados e adequou os produtos à norma. Para alcançar este avanço, toda a equipe passou por diversos treinamentos, principalmente no controle de qualidade das etapas de produção.

“Os resultados obtidos após a certificação vão além de ganhos internos na produção. Obtivemos retornos positivos que vieram de fora da empresa, pois os índices de defeitos apontados na produção e de reclamações de clientes diminuem consideravelmente nesse processo de melhoria contínua”, pondera Itacir.

Como consequência, a linha de produção de portas e seus equipamentos foram modernizados para ter mais eficiência e padrão de qualidade. Cada etapa produtiva recebeu procedimentos específicos nos quais parâmetros de fabricação do produto são rigorosamente respeitados. Os operadores e auxiliares de produção passaram a ser inspetores da qualidade, pois todas as unidades produzidas passam pela avaliação detalhada de medidas, acabamentos e desempenho.

“Todo e qualquer produto na linha de produção passa por cada célula produtiva com a certeza da conformidade. Produtos que por algum motivo apresentam algum tipo de defeito são separados na inspeção final, garantindo que não sejam entregues aos clientes”, conclui Itacir.

Publicado originalmente na Revista Portas de Madeira, publicação do PSQ-PME.
Foto: Randa

VOLTAR