Setor aguarda retomada dos investimentos no país e aposta da divulgação da certificação

A divulgação do Índice de Confiança da Construção de agosto, que subiu 1,8 ponto sobre o mês anterior, alcançando 72,5 pontos – o maior nível desde julho de 2015, vem reforçar a retomada da confiança dos fabricantes de portas de madeira, que hoje têm o mercado interno como principal consumidor de seus produtos. Com a segunda alta consecutiva, o índice acumula ganho de 5,9 pontos desde o mínimo histórico de fevereiro. Na avaliação da Fundação Getúlio Vargas, apesar do valor continuar muito mais próximo do registro mínimo que da média histórica, a tendência de redução do pessimismo já parece evidente do setor de construção.

É apostando nesse nível de otimismo, na retomada dos investimentos no país e na venda de produtos certificados, que o segmento de portas espera alavancar os negócios. Com uma produção que supera as 8 milhões de unidades, das quais quase 5 milhões de kits porta pronta (porta acompanhada dos batentes e ferragens) e outras 3,1 milhões de folhas (apenas a porta), de acordo com dados da Associação Brasileira da Indústria de Madeira Processada Mecanicamente (Abimci), a expectativa dos fabricantes é grande.

Para isso, as estratégias das indústrias são muitas. Passam pela venda não só do produto porta, mas de um serviço que inclui a instalação nos empreendimentos de grandes construtoras. Inclui a abertura de novas plantas para atender demandas específicas do país e até mesmo voltar parte da produção para a exportação.

No entanto, uma mesma estratégia tem sido adotada por quase 70% da produção nacional de portas: investir na melhoria da qualidade do produto e na certificação.

Desde 2014, é possível encontrar no mercado portas com a certificação da ABNT, por meio do Programa Setorial da Qualidade de Portas de Madeira para Edificações (PSQ-PME), desenvolvido pela Abimci. São produtos que atendem à Norma Brasileira NBR 15930. As folhas de portas certificadas passam por um rigoroso controle de qualidade de produção, que inclui testes físicos e mecânicos de avaliação do desempenho realizados pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) de São Paulo.

Com abrangência nacional, o Programa reúne e representa os fabricantes de portas de madeira do Brasil, atuando em várias ações que visam o fortalecimento do segmento e o atendimento dos requisitos estabelecidos nas normas brasileiras vigentes. Entre os principais objetivos da iniciativa estão o de promover a isonomia competitiva entre os fabricantes, por meio da conformidade técnica, adequando o desempenho dos produtos às normas existentes, estimular a melhoria continua, agregar valor às marcas e dar garantias ao consumidor final. Mais de 20 empresas participam do PSQ-PME com diversos produtos estavam certificados.

E o resultado tem sido animador para os empresários. De acordo com o gerente Industrial da Adami/Vert, Daniel Pscheidt, é possível perceber mudanças no comportamento dos clientes na especificação das portas.

“As grandes construtoras já estão colocando como pré-requisito a certificação”, garante.

Na opinião do diretor de Operações da Reflorestadores Unidos, Cassiano de Zorzi, a implantação do PSQ-PME na indústria provocou mudanças significativas.

“Foi um trabalho muito bom, porque ajudou o processo como um todo, a trabalhar a qualidade com as pessoas”, avalia.

Divulgação

Dar visibilidade ao Programa Setorial da Qualidade de Portas de Madeira para Edificações (PSQ-PME) é uma das estratégias adotadas pela Abimci, por meio do Comitê de Portas, para alavancar as vendas dos produtos certificados. A participação na XI Feira Internacional de Esquadrias, Ferragens e Componentes (FESQUA), que será realizada de 21 a 24 de setembro, em São Paulo (SP), é uma das primeiras estratégias conjuntas das indústrias.

A expectativa em torno da primeira participação institucional do PSQ-PME em uma feira é grande, já que o público do evento é o de construtores e especificadores que buscam conhecer as tendências do setor de esquadrias.

“Estamos em um momento muito interessante com vários produtos e empresas certificadas pela ABNT e precisamos divulgar isso para as construtoras e revendas, assim como para outros fabricantes, que ainda resistem em participar do Programa”, avalia Robson Marcon, gerente administrativo da Famossul.

Para o vice-presidente da Manoel Marchetti, fabricante das Portas Álamo, Fábio Ayres Marchetti, a expectativa do grupo para a divulgação institucional do Programada é elevada. “Vamos mostrar ao mercado que já existem empresas e produtos certificados, com perspectivas de aumentar o número de certificações”, afirma.

Na avaliação do diretor Comercial da Pormade, Daniel Zini, a presença na FESQUA será uma oportunidade para apresentar aos visitantes informações sobre a normalização dos produtos. “É a primeira vez que as empresas estarão de forma conjunta divulgando a importância do programa e levando ao mercado orientações sobre o produto portas de madeira”, afirma.

O diretor da Sincol, Caetano Balvedi Neto, também concorda que a presença na feira será uma oportunidade para levar informações do Programa a um público mais técnico. “O mercado de esquadrias evoluiu muito nos últimos 13 anos em torno do desempenho. Por isso, o que queremos com essa participação é mostrar ao mercado que o setor de portas também avançou e hoje temos condições de entregar produtos tecnicamente superiores”, completa.

Assessoria de Imprensa Abimci

VOLTAR