Fabricantes que apresentam apenas laudo não garantem comprovação de avaliação contínua dos produtos

O setor da construção civil já conta com portas de madeira certificadas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), por meio do Programa Setorial da Qualidade de Portas de Madeira para Edificações (PSQ-PME). São produtos que atendem à Norma Brasileira NBR 15930 – Portas de madeira para edificações.

As construtoras que buscam verificar a qualidade dos componentes utilizados nos seus empreendimentos têm na certificação um respaldo de que toda a produção deste determinado tipo de produto é controlada e avaliada periodicamente, além de demonstrar o atendimento às normas técnicas de forma contínua, proporcionando assim produtos em conformidade com as exigências do mercado.

O certificado de conformidade é um documento emitido pelo organismo certificador oficial, a ABNT. Isso assegura que o produto atende aos requisitos exigíveis pela norma técnica NBR 15930-2 – Portas de madeira para edificações – Requisitos. O processo para obtenção do certificado de qualidade inclui auditorias pela ABNT na fábrica para verificar o controle de qualidade do processo de produção. Como parte dessa auditoria, são coletadas, aleatoriamente, amostras do produto para realização de ensaios em laboratório. Ao ser aprovado nas auditorias e em todos os ensaios exigidos pela norma, o produto conquista o certificado de qualidade. Para manutenção do certificado, o fabricante é auditado e realiza ensaios periodicamente.

Já o laudo é apenas um relatório de ensaios emitido por um laboratório. O fabricante não passa por auditoria de controle de qualidade do processo de produção, além da coleta da amostra do produto não ser realizada por um organismo certificador independente. O laudo técnico apresenta apenas o resultado do ensaio sem o parecer técnico quanto ao atendimento ou não aos requisitos da norma. Dessa forma, o laudo não pode ser estendido para todo o lote do produto fabricado e nem confundido com um certificado de qualidade.

“Um fato recorrente no mercado é o uso de laudos para comprovar a qualidade dos produtos. No entanto, as empresas que apresentam na hora da venda somente o laudo ou relatórios de ensaios de um laboratório, demonstram que apenas essa determinada amostra do produto atende ou não uma norma técnica. O resultado dos laudos não pode ser estendido para toda a produção e nem confundido com um certificado de qualidade”, explica Paulo Pupo, superintendente da Abimci.

“As construtoras devem estar atentas no momento de qualificação do fornecedor, pois ao aceitar apenas o laudo, não têm a segurança necessária de que o lote do produto entregue na obra está de acordo com as normas técnicas”, afirma Pupo.

Com abrangência nacional, o Programa Setorial da Qualidade de Portas de Madeira para Edificações, coordenado pela Associação Brasileira da Indústria de Madeira Processada Mecanicamente (Abimci), reúne e representa os principais fabricantes de portas de madeira do Brasil, atuando em várias ações que visam o fortalecimento do segmento e o atendimento dos requisitos estabelecidos nas normas brasileiras vigentes.

Entre os principais objetivos da iniciativa estão o de promover a isonomia competitiva entre os fabricantes, por meio da conformidade técnica, adequando o desempenho dos produtos às normas existentes, estimular a melhoria continua, agregar valor às marcas e dar garantias ao consumidor final.

Para saber quais empresas oferecem portas de madeira certificadas basta acessar www.psqportas.com.br.

 

Nota explicativa Certificado x Laudo

VOLTAR